23 de fevereiro de 2010

Os 10 aeroportos
mais apavorantes do mundo

Pistas de pouso curtas, estreitas e cercadas por montanhas, aterrissagem na areia da praia e aeronaves voando baixo enquanto cruzam ruas movimentadas. Esses aeroportos enchem de razão quem morre de medo de ir (e vir) pelos ares viajando de avião.

10 - Madeira
A pista fica entre uma montanha e o mar, na cidade portuguesa de Funchal, capital da turística ilha da Madeira. Fortes ventos, vindos de todas as direções, dificultam a aterrissagem, que só pode ser executada por pilotos experientes, com licença de voo especial. Ao sobrevoar a pista, é comum que os pilotos uma força ascendente, como se o avião não "quisesse" pousar.
A ponte com 180 colunas, construída para aumentar a extensão da pista, foi considerada uma das cem grandes obras da engenharia civil no século XX.
9 - Saint-Barthélemy
Nessa pequena pista do Caribe, só pousam aviões pequenos com capacidade para, no máximo, 20 passageiros. O piloto tem apenas 650 metros de asfalto para pousar e decolar e, ainda por cima, uma das extremidades da pista termina onde começa o oceano. Na praia, os banhistas são alertados, por placas, para não se aproximarem da cabeceira.
Apesar da fama de perigoso, o aeroporto só tem dois registros de acidente, em 1999 e 2001, no banco de dados da Aviation Safety Network, que cataloga desastres aéreos.
8 - Gibraltar A pista de 1.800 metros é curta para grandes aviões, e os freios são acionados assim que a aeronave toca o solo. Mas o que arrepia é notar que ela passa no meio da via mais movimentada desse minúsculo território britânico. Para evitar acidentes, o fluxo da avenida é interrompido a cada decolagem ou aterrissagem, mais ou menos como em vias bloqueadas para a passagem de trens.
É o aeroporto mais bem localizado do mundo em relação à cidade que ele atende. A distância até o centro de Gibraltar é de apenas 500 metros.
7 - Princesa Juliana
É difícil de acreditar, mas a foto acima é real. Não tem nada de montagem, não! Trata-se de mais um aeroporto caribenho com a pista acabando na beira da praia. Quando um avião se aproxima do Princesa Juliana, os turistas param tudo, seja para filmar e tirar fotos, seja para se esconder - as aeronaves chegam a passar a 10 metros da cabeça dos banhistas.
Inaugurado em 1942, durante a 2ª Guerra Mundial, é o segundo aeroporto mais movimentado do Caribe e, apesar do fluxo intenso de grandes aviões, nunca registrou acidentes.
6 - Barra A única sinalização para os pilotos é feita pelos faróis dos carros de vizinhos do aeroporto. Pensando bem, é até melhor manter a pista no escuro, para os passageiros não notarem a falta de asfalto! É isso mesmo: os pequenos aviões só tem a areia da praia para se locomover. Isso significa que a dificuldade para os pilotos está diretamente ligada ao nível da maré. Quanto mais areia coberta pelas águas, menos espaços para as manobras...
A torre de controle se comunica com os pilotos e também anuncia a chegada e saída de aviões, evitando atropelamentos.
5 - Juancho Yrausquin
os 400 metros de pista se estendem por um terreno elevado, à beira-mar, e se tornam mais perigosos por causa dos desfiladeiros rochosos nas cabeceiras. Em cada ponta da pista há um X desenhado, indicando que ela não comporta voos comerciais. A pista só comporta pequenos aviões particulares e, para seguir pousando e decolando no Juancho Yrausquin, os pilotos são submetidos a testes mensais.
É recomendável que os aviões pousem na Ilha de Saba com o tanque cheio, já que não há combustível de avião por lá.
4 - Adak
Rajadas de vento acima de 100 km/h castigam o aeroporto e os pilotos que encaram trabalhar nele. Como os constantes nevoeiros atrasam vários pousos, as aterrissagens tem que ser feitas com agilidade, assim que o mau tempo dá uma brecha. Desde a inauguração, em 1942, até 1997, era usado penas para operações militares.
No terminal de passageiros, uma placa que estampava "Bem-vindo a Adak, Alasca: a morada dos ventos" está quebrada pela metade - mas o recado continua dado...
3 - Courchevel
Para conhecer esse aeroporto, que dá acesso a uma estação de esqui nos Alpes, tem que ter muita grana ou muita perícia. Além de só receber voos particulares, a pista de Courchevel tem apenas 535 metros de comprimento e 40 metros de largura, medidas suficientes para dificultar a vida de qualquer piloto. Para completar, parte da pista é inclinada para ajudar a frear na hora do pouso e para acelerar os aviões na decolagem.
O aeroporto serviu de cenário para as gravações da sequência da abertura do filme 007: O Amanhã Nunca Morre.
2 - Shimla
Os 1500 metros de altitude são um pequeno inconveniente perto da névoa que cobre a pista durante cem dias do ano. Para piorar, a pista não tem iluminação no solo, chove demais na região e montanhas cercam o aeroporto or quase todos os lados. Por estar rodeado por paredões, pousos e decolagens têm que ser precisos - um pequeno erro na freagem ou na aceleração da aeronave e a colisão é certa.
A pista só recebe voos locais de aviões pequenos, com capacidade para, no máximo, 18 passageiros.
1 - Lukla
Quanto mais perto do céu, mais fácil deveria ser voar, certo? Nesse aeroporto, localizado a 2900 metros de altitude, a conversa é outra. O Lukla atende um publico bem específico - expedições rumo ao topo do Everest - e tem uma rotina rígida. Os alpinistas que voam para lá partindo de Katmandu só podem pousar durante o dia e com condições favoráveis, se não quiserem trombar com as montanhas antes da hora.
O neozelandês Edmund Hillary, primeiro a escalar o Everest, foi quem idealizou o aeroporto, recentemente batizado como Tenzing-Hillary em sua homenagem.
Fonte: Mundo Estranho – Fev/2010

11 comentários:

  1. Faltou Congonhas [3]

    ResponderEliminar
  2. isso tá cheirando a plágio, mas a postagem é SuperInteressante KKKKK

    ResponderEliminar
  3. Faltou St. Maarten aeroporto Princesa Juliana

    ResponderEliminar
  4. madeira, princess juliana e gilbraltar nao tem nada de apavorante, talvez o princess pq a pista seja curta . Mas Acho q nenhum piloto se apavora ao pousar nessas pistas pq para pegarem essas rotas precisam estar mto bem treinados

    ResponderEliminar
  5. Faltou Congolhas [4]

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  7. Congonhas? Juazeiro de Norte? Nem queiram comparar... isso não é nada ao lado destes!!

    A Madeira não é perigosa? vejam no youtube.

    ResponderEliminar
  8. Só um detalhe, quanto mais perto do céu, mais dificil de voar, pois os motores a jato dependem do ar para funcionar, e quanto mais alto, mais rarefeito o ar fica.

    ResponderEliminar
  9. esclarecimento

    ESTE BLOG NÃO PRATICA PLAGIOS.
    O "menino imberbe" que insinuou que este post "cheira a plágio" precisava de levar umas reguadas se estivesse na escola, porque foi mau e invejoso por não ter sido ele a postar... mas, adiante:
    " Nené; leia bem no final do post se está assinado por alguém... e verifique melhor se não está citada a fonte. Ao menos depois de veriicar a sua infantilidade , seja humilde e peça desculpa aos outros visitantes que comentaram aqui. UM ABRAÇO - Carlos.

    ResponderEliminar